TECNOLOGIA

O que vai acontecer com o Sistema Solar quando o Sol morrer

20200121025153_1200_675_-_sistema_solar

Toda estrela possui um ciclo de vida, e com o nosso Sol não é diferente. Em aproximadamente 5 bilhões de anos sua energia vai acabar e isso vai transformar drasticamente o Sistema Solar.

O astro é alimentado por fusão nuclear e transforma hidrogênio em gás hélio em um processo que converte massa em energia. Depois que o suprimento de combustível acabar, o Sol começará a crescer drasticamente. Suas camadas externas se expandirão até engolir grande parte do Sistema Solar, se tornando o que os astrônomos chamam de Gigante Vermelho.

O que vai acontecer depois disso ainda gera debate entre a comunidade cientifica. Exatamente até que ponto o Sol vai se expandir e como as condições vão mudar ainda não estão claros, mas algumas coisas parecem bastante prováveis. A morte lenta acabará com a vida na Terra, mas também pode criar mundos habitáveis em locais mais frios do Sistema Solar.

A raça humana poderia encontrar refúgio em Plutão ou outros planetas anões no distante Cinturão de Kuiper, uma região depois de Netuno repleta de rochas espaciais geladas. À medida que nosso Sol se expandisse, esses mundos se encontrariam repentinamente com condições necessárias para a evolução da vida.

Estes são os “mundos habitáveis da gratificação atrasada”, diz o cientista planetário Alan Stern, do Southwest Reserch Institute. “No final da vida do Sol, na fase de Gigante Vermelho, o Cinturão de Kuiper será uma metafórica praia de Miami”, acrescenta.

Veja abaixo o que aconteceria com cada planeta do nosso Sistema Solar nos últimos dias da estrela:

Mercúrio
Ao longo da história, o planeta mais próximo do Sol foi assado por ele. Apesar disso, Mercúrio possui algumas regiões geladas em seus polos. À medida que o astro envelhecesse, ele vaporizaria essas partes antes de eventualmente fazer o mesmo com todo o planeta; quase que uma versão em câmera lenta da Estrela da Morte de Star Wars.

Vênus
Muito parecido com a Terra em tamanho e composição, Vênus se diferencia do nosso planeta por conta da condição da sua superfície infernal. À medida que o Sol se expandisse, ele queimaria a atmosfera do planeta. Então, Vênus também seria consumido pela expansão da estrela.

Terra
Embora possa levar 5 bilhões de anos até o Sol ficar sem combustível, é muito provável que a vida na Terra já tenha sido exterminada muito antes disso acontecer. Isso, porque a estrela já está ficando mais brilhante. Segundo estimativas, em um bilhão de anos a radiação do astro pode se tornar forte demais para a vida suportar por aqui.

Quando chegar a hora da estrela se tornar um Gigante Vermelho, a Terra também será vaporizada, talvez alguns milhões de anos após Mercúrio e Vênus. Todas as rochas, fósseis e restos de criaturas que viveram aqui vão ser devorados pelo crescente astro, eliminando qualquer vestígio remanescente da existência da humanidade na Terra.

Marte

Até a radiação do jovem Sol era demais para Marte manter uma atmosfera capaz de proteger a vida. No entanto, evidências recentes mostraram que planeta ainda pode ter água logo abaixo da superfície. O planeta pode escapar do alcance real da estrela, mas essa água provavelmente já teria desaparecido quando o Gigante Vermelho assumir o controle do Sistema Solar.

Planetas gigantes gasosos
À medida que o Sol engolir os planetas mais próximos, parte do seu material provavelmente vai ser lançado mais profundamente no sistema solar, sendo assimilado nos corpos dos gigantes gasosos. Porém, a aproximação da estrela vai vaporizar os simbólicos anéis de Saturno, já que são feitos de gelo. Além disso, levaria o mesmo destino aos oceanos das luas Europa, satélite natural de Júpiter, e Encélado, de Saturno.

Nova zona habitável?
Depois de o Sol se tornar o tal Gigante Vermelho, Plutão e seus primos no Cinturão de Kuiper, além de Tritão, lua de Netuno, poderão ser os bens imobiliários mais valiosos do Sistema Solar; já pensou?. Hoje, esses mundos mantêm gelo de água abundante e materiais orgânicos complexos. Alguns deles podem até manter oceanos sob suas superfícies geladas, ou pelo menos podiam em um passado distante.

As temperaturas da superfície desses planetas anões costumam ficar centenas de graus abaixo de zero. Porém, quando a Terra estiver cinza, as temperaturas de Plutão serão semelhantes às médias atuais do nosso planeta.

Em pesquisa publicada na revista Astrobiology em 2003, Stern analisou a possibilidade de vida no sistema solar externo depois de o Sol se tornar o gigante vermelho. A Terra será torrada, mas Plutão será agradável e repleto dos mesmos tipos de compostos orgânicos complexos que existiam quando a vida evoluiu pela primeira vez em nosso planeta. O cientista diz que o planeta anão provavelmente terá uma atmosfera espessa e uma superfície de água líquida.

Coletivamente, os mundos nesta nova zona habitável terão três vezes mais área de superfície do que todos os primeiros quatro planetas do sistema solar combinados.

Via: Discovery Magazine

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp